segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

Chatice se chamar Magalhães

Carta aberta a José Sócrates


Autor: Pedro Carvalho Magalhães

Senhor Primeiro Ministro:

Venho protestar veementemente através de Vª Exª pelo nome dado ao
computador que os vossos serviços resolveram distribuir aos meninos
deste país (os que sobrarem do seu negócio com o Hugo Chavez na troca
do petróleo, bem entendido).
Eu, Pedro Carvalho de Magalhães, nunca mais poderei usar a minha
assinatura sem ser indecentemente gozado pelos meus colegas de
trabalho. Sempre assinei PC Magalhães e, desde que Vªs Exªs baptizaram
o tal computador, tive que alterar todos os meus documentos.
Uma coisa tão simples como perguntar as horas e a resposta que recebo é:
- Atão Magalhães... vai ao Google...
Se vou à máquina de preservativos, há sempre uma boca dum colega:
- Para quê, Magalhães? Não te chega o anti-virus?
Se vou ao dentista, a recepção é sempre a mesma:
- Então o senhor Magalhães vem limpar o teclado...
A minha mulher, Paula Carvalho Magalhães, também sofre pressões
indescritíveis no emprego: Ontem uma colega veio da casa de banho com
um tampão na mão e gritou:
- Paula.... esqueceste-te da tua pen!
Também o ginecologista não resistiu ao nome e, após a consulta,
disse-lhe que tudo estava bem com as entradas USB!
Nem o meu filho, Pedro Carvalho Magalhães, escapa ao gozo que o nome
veio provocar.
A Rita, a mocinha com quem andava há mais de 6 meses, acabou tudo com
este argumento:
- Magalhães.... vou à Staples procurar outro que a tua pega é muito
pequena!
Quando, devido a tudo isto, apanhei uma tremenda depressão que me
impediu de trabalhar, fui ao psiquiatra. Ele olhou para o meu nome e
disse:
- Pois é, senhor PC Magalhães. Aconselho-o a passar pelo suporte
técnico da Staples... podem ser problemas de memória RAM!
Neste momento a minha mulher quer desinstalar-se e procurar alguém que
tenha um nome 'decente'.
Senhor Primeiro Ministro... porque diabo não puseram Sócrates a esse
maldito computador? Queria que o senhor visse o que custa!

Atenciosamente, assina

Pedro Carvalho M. (e não me perguntem o que é o M)