quarta-feira, 12 de março de 2014

A porra da vela!...

      Ao cruzar com uma paroquiana que já não via há tempos, o padre interpelou-a:
-  Bom dia. Você não é a Ondina, que casei há já dois anos?
-  Sou, sim,  senhor Padre. Sou eu mesma.
-  Não me lembro de ter batizado um filho seu. Não teve nenhum?
-  Não, senhor Padre, infelizmente ainda não.
-  Olhe, eu vou mudar de paróquia, mas na próxima semana vou a Fátima.  Se a senhora  quiser, acendo lá uma vela,  por sua intenção e do seu marido, pedindo a Nossa Senhora que vos concede a graça de poderem ter filhos como desejam.
-  Muito obrigada, senhor Padre.  Vou já comunicar isto ao meu marido, pelo que ficamos os dois muito agradecidos.

                                                xxxxxxxxxxx
        Anos mais tarde, o padre e Ondina voltaram a encontrar-se de novo e, ao reconhecerem-se, o sacerdote lembrando-se do problema do casal e da conversa havida anos atrás, curioso perguntou:
        - Então Ondina, teve filhos, depois da minha partida?
        - Sim senhor Padre, três pares de gémeos e mais quatro.  Dez, ao todo!
        - Bendito seja o Senhor. Que maravilha!...   - E o seu marido, como vai?

        - O meu marido, senhor Padre, vai a caminho de Fátima, para ver se apaga a porra da vela!...